terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Atraso na entrega de imóveis provoca queixas

Com o au­men­to na pro­cu­ra por imó­veis, as cons­tru­to­ras têm en­con­tra­do di­fi­cul­da­des de cum­prir os pra­zos de en­tre­ga. Somente en­tre os di­as 10 e 31 de janeiro, o Ins­ti­tu­do Bra­si­lei­ro de Estudo e De­fe­sa das Re­la­ções de Con­su­mo – Seção Goiás (Ibe­dec-GO) re­gis­trou 32 re­cla­ma­ções de con­su­mi­do­res. O nú­me­ro é qua­se 70% mai­or que o re­gis­tra­do em igual pe­rí­o­do de 2010, se­gun­do o presidente da entidade, Wil­son César Ras­co­vit.
No fi­nal de 2007, a téc­ni­ca em sa­ú­de bu­cal Lí­li­an de Je­sus Gon­çal­ves, de 29 anos, com­prou um apar­ta­men­to em Go­i­â­nia. A da­ta pre­vis­ta pa­ra en­tre­ga do imó­vel es­ta­va mar­ca­da pa­ra fe­ve­rei­ro de 2010. Nes­ta épo­ca, a em­pre­sa uti­li­zou um pra­zo le­gal, que adia a en­tre­ga em 180 di­as. Em agosto do ano passado, da­ta fim do pra­zo já prorrogado, o imó­vel ain­da não es­ta­va pron­to. “Li­guei na se­de da em­pre­sa, em São Pau­lo, e me in­for­ma­ram que em se­tem­bro de 2010 se­ria fei­ta uma as­sem­bleia pa­ra mar­car e en­tre­ga. Não acon­te­ceu”, conta.

O pro­ble­ma não se­ria tão gra­ve se Lí­li­an não es­ti­ves­se de ca­sa­men­to mar­ca­do. O pla­no era vol­tar da lua-de-mel e se mu­dar pa­ra o no­vo apar­ta­men­to. Pa­ra com­pli­car ain­da mais, ela con­ta que pa­gou 27 par­ce­las, to­das em dia, fo­ra uma ta­xa re­fe­ren­te ao “ba­lão” e du­as par­ce­las in­ter­me­di­á­rias anua­is, que to­ta­li­zam R$ 27 mil. “Ven­de­mos um car­ro pa­ra pa­gar tu­do cer­ti­nho”, relata. 

Decepcionada, Lí­li­an, que mo­ra­va em um imó­vel ce­di­do pe­la mãe, ain­da pre­ci­sou de­so­cu­­pá-lo e ir mo­rar de alu­guel. Após al­gu­mas ten­ta­ti­vas, con­se­guiu fa­lar com um di­re­tor fi­nan­cei­ro da em­pre­sa e dis­se que que­ria can­ce­lar o con­tra­to, de­vi­do ao atra­so. “Dos R$ 27 mil que pa­guei, me dis­se­ram que te­ria di­rei­to de re­ce­ber ape­nas R$ 6 mil.”

O pro­ce­di­men­to da em­pre­sa não é le­gal, se­gun­do o pre­si­den­te do Ibe­dec-GO. Rascovit in­for­ma tam­bém que os 32 ca­sos re­gis­tra­dos em janeiro deste ano são ape­nas uma pe­que­na par­ce­la do nú­me­ro re­al, já que, pa­ra ele, na mai­o­ria das ve­zes, o con­su­mi­dor não pro­cu­ra seus di­rei­tos. 

Ele ressalta ainda que o pra­zo de seis meses, usa­dos pe­las cons­­tru­to­ras pa­ra pror­ro­gar a en­tre­ga, só de­ve ser utilizado em ca­sos es­po­rá­di­cos e não deve  virar uma regra. “O con­su­mi­dor tem de sa­ber que exis­tem vá­ri­as re­gras que de­vem ser es­ta­be­le­ci­das e que re­gem a par­te da cons­tru­ção. Se ele atra­sa a pres­ta­ção, tem de pa­gar de 0,6% pa­ra 1% de va­lor do imó­vel a ti­tu­lo de fru­i­ção”, informa. “Da mes­ma for­ma, o con­su­mi­dor de­ve ser in­de­ni­za­do quan­do o er­ro par­te da em­pre­sa”, ex­pli­ca. Caso o consumidor se sentir lesado, poderá receber orientação grauita do Ibedec-GO, que funciona na Rua 9 com 22 nº 1.279, Setor Oeste (Contato: 62 3215-7700/777). Também está disponível, gratuitamente, a car­ti­lha Cons­tru­to­ras, no si­te www.ibe­dec.org.br. 

PROCON
Segundo a ge­ren­te de Aten­di­men­to ao Con­su­mi­dor do Pro­con Go­i­ás, Sa­ra Sa­eg­he Xi­me­nes, cerca de 400 re­cla­ma­ções so­bre atra­sos na en­tre­ga de imó­veis fo­ram re­gis­tra­das em qua­tro anos. Isso re­pre­sen­ta, de acordo com ela, 20% do to­tal de re­cla­ma­ções so­bre cons­tru­to­ras somente na capital. Ela ori­en­ta para que o pre­ten­so com­pra­dor con­ver­se com ami­gos, que já com­pra­ram da cons­tru­to­ra es­co­lhi­da. “Se a em­pre­sa dis­ser que vai atra­sar, o con­su­mi­dor de­ve fi­car fir­me e fa­zê-la ar­car os com­pro­mis­sos e pre­ju­í­zos”, ori­en­ta Sara.

Co­or­de­na­dor do Cen­tro de Apoio Operacional de Defesa do Con­su­mi­dor do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, Éri­co de Pi­na de­fen­de que o pra­zo é con­tra­tu­al e que a pes­soa po­de con­cor­dar ou não com o con­tra­to. “É um di­rei­to dis­po­ní­vel. O pro­ble­ma é quan­do a pes­soa não tem is­so no con­tra­to”, resalta. Se­gun­do ele, o MP não tem re­gis­tro de re­cla­ma­ções nes­te sen­ti­do, por­que tra­ta ape­nas de ca­sos em que o pre­ju­di­ca­do é de bai­xa ren­da e de ca­sos co­le­ti­vos. 

Pa­ra o pre­si­den­te da As­so­cia­ção de Di­ri­gen­tes de Em­pre­sas do Mer­ca­do Imo­bi­liá­rio, Ilé­zio Iná­cio Fer­rei­ra, que tam­bém é di­re­tor da Subcomissão de Le­gis­la­ção Mu­ni­ci­pal do Sin­di­ca­to da In­dús­tria da Cons­tru­ção Ci­vil de Go­i­ás (Sin­dus­con-GO), atra­sos ocor­rem por ques­tões ope­ra­ci­o­nais ou re­la­ci­o­na­das à ges­tão. Ele ainda explica que os atra­sos são re­cor­ren­tes em cons­tru­to­ras e in­cor­po­ra­do­ras de ou­tros Es­ta­dos, que também atuam na pra­ça de Go­i­â­nia e têm mão de obra ter­cei­ri­za­da. “Ain­da as­sim, o nú­me­ro de re­cla­ma­ções é mui­to pe­que­no con­si­de­ran­do um qua­dro de 10 mil imó­veis lan­ça­dos na Gran­de Go­i­â­nia, no ano pas­sa­do”, pondera Ferreira.
terça-feira, 08 de fevereiro de 2011
An­dré Pas­sos

Nenhum comentário:

Postar um comentário